quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Tancão da Morte no bairro Guaraciaba em Santo André/SP: Aterrar a lagoa resolverá o problema da população?


As notícias vinculadas na imprensa sobre a morte de adolescentes que se afogaram em uma lagoa no bairro Guaraciaba, município de Santo André, chocaram não só os familiares dos jovens, mas também de grande parte da população que não se conformam com o descaso das autoridades em não dar uma solução para frear as constantes mortes no “Tancão da morte” – como é conhecido na região.

O local era uma antiga estação de extração de areia nos anos 70 e devido as constantes escavações no solo, surgiram mais de 50 minas d´agua, elevando a água subterrânea ao nível do tanque, inviabilizando então a atividade extrativista. Como o local ficou abandonado, virou atrativo para moradores em querer usufruir das águas advindas.

Várias promessas de campanhas eleitorais sugeriam a criação do Parque do Guaraciaba, quando no início dos anos 90, na gestão do então prefeito Celso Daniel, construíram no local quadras poliesportivas, guaritas de segurança e área própria para natação. Porém a realidade durou pouco, pois a área de 500.000 metros quadrados foi fechada devido a um imbróglio judicial em que não houve acordo entre os antigos proprietários da área e a prefeitura local.

As mortes por afogamento continuaram a ocorrer.

Com o recente caso dos adolescentes mortos, surgiram novas perspectivas sobre o futuro da área. O atual prefeito Carlos Grana (PT-SP avalia projetos que vão desde uma PPP (Parceria-Público-Privada) para a ampliação do local para fins de aterro sanitário e depósito de entulho, até a construção de apartamentos populares. Questionado sobre a criação de um parque propriamente dito e a região ser carente de espaços de recreação e de lazer, Grana disse que a informação também está inclusa na pauta da administração municipal, responsável em avaliar os estudos.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Catadores de materiais recicláveis invadem área preservada

Segundo a publicação do site de notícias G1, uma família de catadores de recicláveis da cidade de Tietê, interior de São Paulo, invadiu uma A.P.A. (Área de Preservação Ambiental), onde abriram uma clareira no meio da mata depositando grande quantidade de plásticos e outros materiais por eles recolhidos. A informação partiu de um denunciante, que comunicou o fato as autoridades locais que autuaram os responsáveis pela ação e estipularam o prazo de 24 horas para a liberação da área.




Quem sou eu

Minha foto

Professor é Pós-graduado em Gestão ambiental pela Universidade Cândido Mendes. Atualmente desenvolve trabalhos na área de "Crimes Ambientais" e partilha seus conhecimentos através de publicações e debates

Envie seu e-mail para matérias e sugestões!

Ocorreu um erro neste gadget